quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Relato da minha querida doulanda Giovana


Em julho de 2012, recebi o resultado do meu teste de gravidez, POSITIVO, um pouco de nervosismo, porém muito feliz, afinal era minha segunda gestação, muito aguardada e planejada. Havíamos pensado em tudo, as crianças irão crescer juntas, fazendo companhia um ao outro, mudamos pra uma casa onde poderíamos fazer um quartinho só pro bebe, eu poderia parar de trabalhar e dedicar os primeiros meses só pra ele, tínhamos um plano de saúde muito bom, enfim pensei em tudo, ou quase tudo..........os primeiros meses de gestação se passaram e percebi que uma coisa não estava definida.....como gostaria que fosse o parto?.....o da minha filha tinha sido pelo sus, e apesar da insegurança, e alguns funcionários insensíveis, tinha corrido tudo bem para um parto normal. 
Pensei que seria legal um segundo parto normal, mas ai lembrei da dor, do medo, da insegurança q senti durante as "10horas" de trabalho de parto..e me lembrei de uma conversa com um obstetra sobre analgesia, parto sem dor, ou parto com data e hora marcada (cesariana)....e comecei cogitar a hipótese....foi então q uma pessoa muito querida, Hj uma preciosa amiga, se aproximou de mim e começou a me falar sobre o trabalho dela como doula, sobre parto humanizado, sobre os muitos benefícios do parto normal, tanto pra Mae quanto pro bb.....e então depois de algumas conversas e uma reunião muito gostosa, onde compartilhamos experiências, e recebemos muitas informações importantes, não tive mais duvida - quero que o meu parto seja o mais natural possível- conversei com minha obstetra sobre a minha decisão, escolhi a maternidade e ficou tudo acertado.....
Os meses se passaram, a chegada do bb foi se aproximando, e a tensão tb......comecei com as primeiras contrações que permaneciam regulares por um tempo e então paravam.... Assim foi por quase uma semana......comecei ficar meio frustrada e ansiosa, porém sempre em contato com minha doula, Carla, estávamos confiantes q estava tudo bem e que na hora certa escolhida por Deus o Alexandre viria ao mundo......dia 7 de marco de 2013 as contrações se intensificaram e parecia que a tão esperada hora havia chegado.....liguei para Carla só pra deixa-lá por dentro da situação, pois estava me sentindo super bem, sabia q era só o comecinho do trabalho de parto, que ainda viriam alguuuuumas horas pela frente......mas pra minha surpresa e alegria ao final da tarde a Carla toca a campainha dizendo que foi ficar comigo, passar a noite se necessário, pra me deixar mais segura e me acompanhar nesse processo. As horas foram passando e à meia noite já havíamos feito de tudo pra ver se esse trabalho de parto desencadeava logo, pois as dores da contração parecia que estavam diminuindo de novo....pular sentada na bola, caminhar, banho quente com a bola, já havia perdido o tampão e nada....ai, ai meu Deus, será q não vai ser hj?.....
 Amanheceu e minha Doula lá comigo, as dores haviam praticamente sumido, preocupadas em ver se estava tudo bem o bb, partimos para maternidade.....exame de toque: pouca dilatação, ausculta do feto: tudo ok, plano da medica: cesariana........fiquei assustada pois os planos não estavam correndo como eu queria, mas colocamos a situação na presença de Deus e então falei pra medica q queria muito mesmo tentar um parto normal, ela resolveu colocar um soro para induzir as contrações e que esperaria no máximo 3h para ver se dava algum resultado senão iria partir para cesariana......fiquei confiante que daria tudo certo, o soro foi colocado e minha Doula continuou cuidando de mim, confesso que Ate aquele momento parecia que a estava incomodando , que não havia necessidade dela ficar comigo o tempo todo, mas quando o soro começou a fazer efeito, que por sinal foi bem mais rápido do que esperávamos, as dores foram ficando cada vê mais fortes, fui me sentindo frágil, ansiosa e com medo, e então agradeci a Deus por ter a Carla ali comigo, me incentivando a caminhar, me ajudando com o banho, massageando minhas costas, orando por mim, me dando suporte nesse momento tão frágil........
Então as 3h se passaram, a medica veio ao quarto e o Alexandre estava quase vindo ao mundo...graças a Deus teria meu bb sem precisar de uma cesariana.....as dores eram muito fortes, mas sabia que faltava pouco e não queria a analgesia....porém nessas circunstâncias confiamos nos muitos anos de estudo do medico e a minha insistiu para que eu fizesse a analgesia...fui encaminhada a sala de parto, fizeram a tal aplicação analgésica, as dores pararam e por um instante eu achei aquilo muito bom, apesar das coisas não estarem acontecendo conforme o que eu planejara sabia que Deus estava no controle.....mais uma hora se passou, as dores foram voltando aos poucos a medica me posicionou para a hora do parto e a partir dali eu só queria que ele nascesse logo e com saúde.......a medica achou necessário romper a bolsa e fazer uma episiotomia para facilitar a passagem do bb, mais uma vez, gostaria que não houvesse necessidade desses procedimentos, mas queria que meu bb viesse ao mundo em segurança.........
Por fim as 15:10h do dia 8 de marco de2013 o Alexandre nasceu, lindo e saudável......e ja nem me lembrava mais das dores e medo que senti tamanha era minha alegria por ter ele nos meus braços.....hj sei que tudo que aconteceu e o q nao aconteceu foi permissão de Deus, e tudo cooperou para o nosso bem....tenho um bb saudável, inteligente, lembranças maravilhosas daquele dia e muita gratidão por tudo que minha Doula fez por nós, a simples presença dela me deixou menos insegura e mais confiante...não me arrependo de nada e penso que talvez se não a conhecesse teria me deixado influenciar por uma cesariana e com certeza não teria vivido essa aventura maravilhosa, emocionante e tão especial para Mãe e filho que é o "parto normal". Obrigada amiga  
 Giovana Bruning 
Querida Gi, obrigada pelo seu relato tão lindo e carinhoso! Amei cada segundo 
que fiquei ao seu lado nesse momento tão especial da sua vida, é tão gratificante saber que consegui ajudar de alguma maneira!
Realmente, de simples conhecidas, neste tempo precioso que tivemos de doula e doulanda nasceu uma amizade verdadeira...saiba que pode contar comigo sempre! O Ale é mesmo lindo e saudável, uma benção de Deus! 
Amo vcs...
Sua doula e sempre amiga 
Carla






quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Entendendo a Cesariana


Gente, o texto abaixo não é meu, eu li no face da Janaina  Rosa, e acredito que seja de sua autoria, mas como eu achei o texto maravilhoso, super informativo e esclarecedor, resolvi compartilhar com vcs minhas lindas leitoras, ou leitores se houver algum...rsrs... e me fez lembrar a discussão com aquele doutor mega cesarista que se revoltou quando eu postei no meu face o trailer do filme  " O Renascimento do Parto", e me escreveu indignado que ele fazia uma cesariana maravilhosa em 20 min. e suas pacientes eram cheias de ocitocina...rsrs... (rindo p não chorar) , e eu fiquei imaginando a forma traumática que aqueles bebês são tirados do ventre, o susto,  a violência e o mal estar que eles devem sentir e o meu coração fica apertado... Vcs acreditam que eu ouvi uma médica falar que tem médicos que concorrem p ver quem faz uma cesárea mais rápida? Isso devia ser motivo de vergonha! 
E por mais que eu deixe muito claro que nós não somos contra cesáreas necessárias, as pessoas insistem em dizer que se sentem ofendidas quando "pregamos" o parto normal, e que para nós, o mais importante é o parto e não o bebê... 

Toda essa luta é pelo bem estar da mãe, mas principalmente pela criança e para a criança, é pelo direito do bem nascer, é pelo direito dos seus órgãos passarem pelo último processo de desenvolvimento, receber os hormônios que lhe são necessários, é pelo direito de nascer quando ele estiver  pronto e preparado, é pelo direito dele saber que algo vai acontecer em breve, sentindo cada contração no útero de sua mãe e pelo direito de não ser arrancado muitas vezes de forma violenta e depois disso não poder nem ficar um tempinho ao lado de sua amada, seu porto seguro, sua proteção, sentir sua voz, o seu cheiro,e até mesmo ouvir as  batidas do seu coração, que é a única coisa que ele precisa naquele momento! 

 Cada mulher têm o direito de decidir escolher o tipo de nascimento de seu filho, e eu respeito, mas eu também tenho direito de passar informações para quem está aberta à isso! Eu não posso abrir mão das minhas convicções e da verdade para agradar quem não quer recebê-las!

Cesárea necessária ???????? Simmmm !!!!!!!!!!!!!! E se for necessária?????? Que seja humanizadaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Carla                                   Assistam ! É emocionante...chorei
 Segue o texto:  

Tipos de parto: a Cesariana

O nome "oficial" da Cesariana é cirurgia para remoção (ou extração) de feto.

A palavra tem origem no verbo latino caedo -is, cecidi, caesum, caedere, que significa cortar. Acredita-se que o imperador Júlio César teria nascido assim, após a morte de sua mãe, no nono mês de gestação (e por isso teria recebido esse nome), e existem relatos de que esta técnica já seria praticada desde muito antes disso.

Obviamente, apenas era utilizada em casos desesperados, onde já não havia nenhuma esperança de salvar a mãe, e buscava-se, em um último recurso, salvar o bebê. A maioria dessas ciurgias resultava em mortes por infecção, ou simplesmente "não dava certo", como é de se esperar em culturas que não conheciam ainda muito bem o funcionamento do corpo humano, nem a importância da assepsia.

A cirurgia cesariana só se tornou um recurso viável, realmente, após o descobrimento da penicilina, em 1928. Graças a essa descoberta, foi possível salvar cada vez mais mulheres e bebês que, sem isso, estariam condenados a uma morte certa.

Desde então, as taxas de cesarianas no mundo todo não pararam de aumentar, atingindo níveis extraordinários em alguns países, como o Brasil, que, em 2009, chegava a apresentar quase 50% de cesarianas (chegando a assombrosos 80% em hospitais particulares).

Em 1985, a Organização Mundial da Saúde (OMS) indicou, após amplo estudo, em diversos países, que uma taxa de cesarianas superior a 15% é medicamente injustificável, e aumenta a incidência de morbimortalidade materno-fetal. Por isso, a cirurgia Cesariana só deveria ser feita com indicação médica real.

Ambiente

A cirurgia Cesariana sempre acontece em ambiente hospitalar, no centro cirúrgico. Não há possibilidade de fazer isso em outro lugar. Alguns hospitais permitem que a mulher coloque uma música de fundo nessa hora, e é possível pedir para que desliguem o ar condicionado, para diminuir o frio da sala para a chegada do bebê.

Equipe

Por ser uma cirurgia de grande porte, a Cesariana requer uma equipe completa: obstetra, pediatra, anestesista, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Hoje, em muitos hospitais, o pai também pode estar presente nessa hora, e alguns até permitem que a mulher seja acompanhada também por uma doula.

Procedimentos

Após a internação, a mulher recebe uma anestesia peridural na coluna, que permite que fique acordada, porém sem sensibilidade ou controle do peito para baixo. É necessário que esteja sem comer há algumas horas para evitar que vomite.

Ela é deitada na cama do centro cirúrgico e seus braços são amarrados, em forma de cruz. A anestesia muitas vezes causa tremores, e pode causar convulsões, em alguns raros casos, então é necessário que a mulher esteja imobilizada. Ela é conectada a diversos aparelhos, que checam constantemente sua pressão e batimentos cardíacos.

É colocado um campo estéril diante de seu rosto, que, ao preservar a assepsia, também impede que a mulher veja o que está acontecendo na "área dos médicos", lá embaixo, e procede-se à assepsia da região cirurgical, com iodo.

É feita uma primeira incisão, que pode ser transversal (horizontal) ou longitudinal (vertical, mais rara) sobre a barriga da mulher (1), acima da linha dos pelos púbicos. Hoje em dia, busca-se fazer uma incisão pequena, para facilitar a cicatrização e diminuir a formação de quelóides.

São sucessivamente abertos o tecido subcutâneo (2) e a aponeurose dos músculos reto abdominais (3), separados os músculos na linha média (4) e abertos o peritônio parietal (5) e o peritônio visceral (6), deixando visível a parede uterina (7).

São introduzidos retentores de metal, que seguram essas camadas de pele, músculo e gordura abertas, para que o médico possa, então, fazer uma incisão no útero da mulher.

Rompe-se a bolsa manualmente e o líquido amniótico é aspirado. O próximo passo é a extração do feto, que é rapidamente colocado encima da barriga da mãe, aspirado e tem o cordão clampeado.

A retirada da placenta e revisão manual da cavidade uterina acontecem então, e são feitas as suturas, em cada camada de pele, individualmente. A mulher recebe muitos pontos, cerca de 75, e, mesmo que a retirada do bebê seja rápida, de 5 a 15 minutos, o procedimento total da cirurgia dura, em média, uma hora.

Abaixo, o comentário do Dr Galleta a respeito das suturas na cesariana:
"No geral, fechando todas as camadas com cuidado e destreza, uma cesárea dura cerca de 60 minutos, ou um pouco mais, se houver uma cesárea prévia. Feita em menos de 40 minutos, não indica melhor técnica cirúrgica, mas justamente a falta dela. Basta você imaginar a costura de 7 panos diferentes, mesmo que em chuleio, para perceber que, para fazer direito, não dá para fazer assim tão rápido. Afinal, se temos cuidado em bordar um pano de prato, quanto mais a barriga de alguém!"

Geralmente, enquanto a mãe passa por todos esses procedimentos, o bebê é levado para o berçário, para as primeiras avaliações, e, na maioria das vezes, o pai vai junto. A mãe só vê o bebê rapidamente na sala de cirurgia, antes que ele seja levado, e volta a vê-lo apenas quando já está instalada no quarto. Antes disso, ele passará um tempo em observação no berçário, para ter certeza de que não tem nenhum tipo de desconforto respiratório, muito comum em bebês nascidos por Cesariana. A mãe também passará um tempo em observação, na enfermaria, até que se recupere da anestesia e consiga, pelo menos, urinar.

A cesariana tem a reputação de ser "um parto indolor", porém, é necessário lembrar que se trata de uma cirurgia, e não de um parto fisiológico: as mulheres que acabaram de passar por uma cesariana são consideradas convalescentes por, em média, 40 dias, e não devem levantar peso acima de 3 Kg, para não arriscar estourar os pontos.

O Brasil é o único país do mundo em que as mulheres podem optar por uma cirurgia cesariana por motivos não-médicos. Este fenômeno, conhecido como Cesariana Eletiva (que será abordado mais en detalhes aqui no blog mais para a frente), está deixando o mundo inteiro chocado, e nos rendeu uma reprovação internacional da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2006.

Como militante da humanização do parto, não apoio a Cesariana Eletiva. Reconheço que a cirurgia Cesariana é um procedimento médico sério, que tem consequências físicas e psíquicas, que podem incluir: dificuldade de estabelecimento de vínculo afetivo entre mãe e bebê, aumento de incidência de depressão pós-parto, dificuldades na amamentação, hemorragias, problemas circulatórios, trombose, infecção, má-cicatrização, reações alérgicas aos diversos medicamentos usados durante e após a cirurgia, e, em alguns casos, até morte da mãe e do bebê. Apoio sua utilização apenas em casos de real necessidade, de preferência realizada de maneira humanizada.

É possível humanizar a Cesariana?

A resposta é motivadora: sim é possível humanizar a Cesariana.

Como?

Em primeiro lugar, assegurando que a indicação da cirurgia seja uma necessidade real. Em seguida, fazendo com que seja uma experiência o mais próxima possível da realidade do parto natural.

Nesse modelo, a mãe é valorizada: deseja-se que ela participe do momento, então explica-se para ela tudo o que está acontecendo e abaixam-se os campos cirúrgicos, para que possa ver seu filho nascendo.

Na Cesária Humanizada, o corte tem apenas 10cm, que é o mesmo diâmetro da dilatação vaginal, e o bebê é retirado bem devagar, para reproduzir a massagem que seria recebida se ele tivesse nascido pela via vaginal, o corte do cordão não precisa ser imediato e o bebê pode, sim, ir direto para o peito da mamãe e começar a mamar, enquanto a equipe termina de fazer seus procedimento e costurar lá embaixo. A separação não precisa acontecer de forma rotineira, e os primeiros cuidados com o bebê podem ser feitos ali mesmo, no colo da mãe

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

GO fofinho????????

Nos grupos que eu participo sobre partos humanizados, eu sempre via a expressão o "GO fofinho"...rsrs...mas não dava muita importância até que eu li a publicação de uma gestante que dizia assim:

"E o meu tão sonhado PN, agora virou uma Cesárea! 

Não abro mão do meu médico, ele é um amor de pessoa desde o início do meu pré natal, disse que a escolha era minha se PN ou PC, e que estaria comigo até o fim, ele me passa uma confiança absurda!
Porém hoje fui levar uns exames que ele tinha pedido e estou com anemia e está bem profunda. 
começamos com um tratamento e ele me orientou a não ter o PN, pois posso perder muito sangue e tal... disse até que já vai deixar reservado 2 bolsas de sangue para a cirurgia.
E como desde o início eu disse que queria PN, porém a saúde da minha bebê e a minha viria antes do meu QUERER, eu aceitei! chorando mas não arriscarei!
Quem sabe no próximo... "

Anemia profunda, indicação de cirurgia? Ele já reservou duas bolsa de sangue?  Ah, que meigo... todos sabemos que em uma cesárea, cirurgia de médio porte, onde é cortado sete camadas de tecido, incluindo o útero, o sangramento é muito maior...

Então eu entendi, o GO dela era tão fofo que, por maior que fosse óbvia a indicação de uma falsa cesárea, ela tinha uma "confiança absurda" e nada neste mundo faria com que ela contestasse a opinião dele...

Foi nesse momento que eu lembrei do meu GO, ele era o fofo dos fofos, lindo, compreensivo, super atencioso, ficava uma hora conversando comigo e o meu marido nas consultas, e ainda p completar tamanha fofura, lembrou que ele e o meu marido foram amigos de infância  em Mandaguari , cidade em que os dois nasceram, e quando acabavam as  minhas  cesáreas ele ainda fazia carinho na minha cabeça me parabenizando e dizendo que estava tudo bem! Não disse que ele era o rei da fofolândia?

Ele tb foi o GO da minha cunhada, e estes dias nós estávamos conversando e eu comentei que ele havia feito cesáreas desnecessárias em nós duas, duas em mim e uma nela, e como aconteceu há 7 anos, ela me lembrou que a filhinha dela teve água nos pulmões e ficou em estaco grave na UTI e segundo o pediatra por ter sido retirada com 37 semanas e os pulmões não estarem prontos! E sabem qual a indicação para tanta emergência? Uma circular de cordão, ela saiu às pressas da ecografia direto p a maternidade, pois segundo o fofo, ela poderia dar uma cambalhota na barriga e se enforcar...kkkkkkkkk... na época, eu acreditei, pois ele já havia "salvo"a minhavida e a do meu filho, com uma cesárea de 38 semanas por pressão alta, tão alta que nunca tomei um remédio sequer, mas até eu fazer o curso de doula e estudar muito sobre o assunto, ele realmente era o nosso salvador!

Cuidado meninas, tem muito GO vestido de príncipe (princesa)  querendo roubar seu parto! Confiança absurda????? Só em DEUS !!!!!!!!!!!!!

Carla Bichara











sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Jeová Rafah - O Deus que cura! Relato do parto da Rebeca ....

Para falar da minha experiência de Doulanda da Carlinha eu preciso abrir um parênteses...
Eu conheci a Carla em 2006, foi o Papai que preparou essa AMIGA pra mim. Eu já era mãe do Gabriel que na época tinha 10 anos, não pensava em engravidar novamente. E foi através da vida da Carla que Deus começou a trabalhar na minha vida e no meu coração, curando e me aproximando Dele. Foi então que parei com o anticoncepcional e retirei o DIU.
Essa aproximação demorou um pouco (5 anos) , mas hoje agradeço à Deus pela perseverança da minha amiga.
Em maio de 2012 a Carla me fez um convite para ser Doula voluntária no seu projeto...Fui e fiquei maravilhada, tive a oportunidade de assistir dois partos emocionantes.
Era para eu tomar um remédio para ajudar a engravidar, mas eu esqueci, isso aconteceu para que eu não tivesse duvidas que era Deus que estava no controle de tudo.
Como o relacionamento da Carlinha com Deus é muito estreito e próximo, Ele havia falado para ela da minha gravidez. Quando falei da minha suspeita  corremos para a farmácia comprar o teste, que é claro deu positivo.
Então nada mais gostoso que ser cuidada por quem nos ama tanto,  confiei minha gestação à Carla fui a todas as reuniões, tirava mais duvidas com ela do que com o GO...rs
Antes de engravidar já tinha interesse em fazer PN, quando falei para o GO sobre minha vontade em fazer PN ele ficou uns 3 minutos em silêncio me olhando como se não acreditasse no que eu falava, fiquei até sem jeito será que estava falando besteira, pois eu com 35, terceira gestação,  de repente fosse melhor fazer cesárea, mas a minha Doula me deixou tranquila dizendo que eu não tinha nenhuma contra indicação.
Procurei outro GO que respeitasse minhas preferencias e assim aconteceu.
Minha gestação  caminhou para PN, quando estava com 38 semanas comecei a perceber que meu parto estava bem próximo, minha Doula me orientou quanto aos exercícios, caminhada, bola e tudo mais .
Fiz tudo direitinho, como estava bem orientada fiquei esperando até perceber a proximidade do parto. No dia 6 de fevereiro as quatro e vinte da manhã fui acordada por uma dor mais forte, como meu esposo trabalha à noite, eu liguei para ele, falando sobre as dores, mas que não se preocupasse pq dava tempo dele chegar. As seis da manhã avisei a Carla para combinar a ida ao hospital.
Fomos para a maternidade ao chegar lá eu estava com seis de dilatação e já fiquei internada. Eu tinha direito a apenas um acompanhante, então pedi para a  Carla ficar comigo durante o trabalho de parto, e quando chegasse o momento do nascimento ela trocaria com o Luciano meu esposo.
Ao subir e ser examinada minhas contrações não estavam evoluído, então entrei na ocitocina às 12:30h . Fui para o cavalinho, para acelerar o TP  foi então que as dores foram se acentuando muito, uma atrás da outra com
 intervalo de menos de dois minutos, a Carla percebendo que provavelmente havia aumentado a dilatação disse para que eu deitasse para ser examinada, quando levantei minha bolsa estourou enquanto isto a médica se preparava para me examinar, quando deitei senti uma dor muito forte e incontrolável, mas incontrolável mesmo, vontade de fazer força neste momento senti que a Rebeca estava nascendo, falei para a Carla "TÁ NASCENDO..."
Ela nasceu... às 13:41h linda, perfeitinha e muito rápido!!!
Tranquilidade é a palavra chave para descrever meu emocional durante a gestação, TP e o parto em si, pois estava muito bem orientada o que me deixou segura.
Essa foi a história do meu parto e da minha experiência com Deus, mostrando seu cuidado e amor por  mim e minha filhota,  que enviou a Carla, minha AMIGAIRMÃDOULA, para assessorar minha gestação e meu parto.
Sandra

Significado do nome : Aquela que une!
Quem disse que bebê de 4kg não pode nascer de parto normal?
E o melhor: sem episiotomia!

Amor maior do mundo...

                    



Nossa Pedrita!
Boneca viva!



Sandrinha com seu primogênito lindo e carinhoso!


Rebequinha com a dinda e a mamãe pagando mico!

Só love, só love...

Como vcs podem ver, a Rebeca já está quase casando e só agora chegou o depoimento...rsrs... mas valeu à pena esperar... uma verdadeira carta de amor! 

Obrigada amiga pelas palavras e pela confiança, eu só tenho agradecer  por poder ser instrumento nas mãos de Jesus para que vc conhecesse o Caminho , a Verdade e a Vida, e agradecer por Ele ter curado a sua alma, seu espírito, seu físico , enfim sua vida! E como maior presente e prova do Seu Grande Amor por nós, veio a Rebeca com uma gestação sobrenatural, saudável e tranquila e  um parto lindo  para selar essa aliança, que eu creio será eterna!

Vc foi muito forte, corajosa e guerreira na hora do parto,aliás , é até uma redundância falar isso, pois essas palavras são sinônimos da sua pessoa!

E o melhor de tudo é poder dividir essa felicidade com vc sendo sua doula e madrinha da minha gatinha manhosa...rsrsr... amo vcs!

Carla

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Homenagem aos Papais do Ano !

Quando o assunto é gestação e parto, pouco falamos sobre uma figura muito importante nesse quadro, os papais! Em todos os partos e gestações que acompanhei tenho tido uma agradável surpresa em relação à  esses heróis...eles estão muito presentes ,e participativos, do jeito deles...rsrs...mas estão, querem saber dos benefícios do parto p os seus bebês, ultimamente eles até pregam à favor do parto humanizado, falam com orgulho, que suas esposas têm uma doula (que fofos), se informam , questionam os médicos e lutam juntos com a suas esposas pelo tão sonhado parto normal!

Quando enfim, chega o momento tão esperado, eles me olham com alívio e confiança por eu estar ali na hora do TP de suas amadas esposas! Eles fazem o que podem para ajudar, ficam do lado delas apoiando e sendo carinhosos, super prestativos, buscam o que precisamos, compram pizza, saem p caminhar junto, por mais que o pânico esteja estampado em seus olhos, eles continuam fazendo cara de paisagem...kkkk...p mostrar que está tudo sob controle, nós viramos amigos e cúmplices tb, com um olhar eles me perguntam se está tudo bem e eu respondo que está tudo dentro da normalidade, então eles respiram aliviados! 

Cada um com sua personalidade e características, uns são mais fortes e fazem questão de não saírem de perto, outros são mais ansiosos e preferem  ficar no quarto ao lado pois não aguentam ver suas amadas com dor ...rsrrs...mas já deixam avisado: "qualquer coisa é só chamar!" Outros são muito tranquilos e dizem :  "fica aí com a Carla curtindo esse momento e eu estarei no quarto se precisar..." querendo dizer que sabe que ela está em boas mãos! Uns fazem questão de entrar no momento do parto, já outros são machos e assumem que é melhor ficar do lado de fora para não desmaiar...kkkkk... mas todos, com um amor do tamanho do mundo por seus bebês e pelas mães de seus bebês! Teve um que até falou que precisava de um doulo! Eu ri e fui orar com ele e por ele... Não se preocupem, não vou citar nomes...rsrs...  

Quero deixar aqui meu muito obrigado pelo apoio e respeito à mim dedicados, por confiarem em mim e me deixarem participar desse momento único de suas vidas! E parabenizar todos os papais de primeira, segunda e terceira viagem, vcs são demais! Sua esposas e filhos  são privilegiados por terem vcs ao lado deles, e tenho certeza que para eles, vcs são o grande super herói!

Aos pais que eu não consegui doular a esposa,  pois precisou de uma cesárea, obrigada por acreditarem no sonho , e quando não aconteceu da maneira que esperávamos, estar ao lado delas para consolá-las e confortá-las com amor, sabendo que o maior presente já está nos seus braços!

Aos maridos  das minhas doulandas e  futuras parturientes  só tenho à dizer: Prepare-se para o momento mais maravilhoso, emocionante e cheio de adrenalina de suas vidas, uma verdadeira montanha russa de sentimentos!

E também , quero deixar aqui meu mais sincero e profundo agradecimento ao meu marido lindo, pai dos meus filhos, que entende e aceita a minha vocação de ser doula, que cuida de tudo na minha ausência, que me apoia, que ora por mim, que comprou a nossa luta e se arrepia quando alguém fala em cesárea eletiva...rs...e que a cada madrugada que saio para atender as doulandas  me dá um beijo , meio dormindo, me deseja boa sorte e me abençoa com amor para mais um parto! 

Que Deus abençoe cada papai e seu bebê, que vcs sejam p os seus filhos(as) uma fonte inesgotável da sabedoria do Senhor, que sejam o porto seguro, o melhor amigo em que eles poderão sempre confiar para compartilhar os problemas , dúvidas, anseios e dificuldades. Mas, que depois de Deus, vcs tb sejam a autoridade absoluta p eles! Que vcs sejam o exemplo vivo de caráter, honestidade e homem de Deus, que através de suas vidas ele se apaixonem por Jesus e vivam para sempre na Presença do Nosso Amado!

Feliz Dia dos Pais!



sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Pedro Henrique, um sonho realizado por Deus!

Quando a Ana começou à frequentar o nosso grupo de gestantes ela estava com uns 5 meses de gestação, e  era de risco, ela já havia perdido dois bebês, pois tinha um problema no sangue (trombofilia), e na gestação do Pedro que foi diagnosticado, e ela precisava tomar injeções anticoagulantes todos os dias, não foi  nada fácil,  foi internada várias vezes, infecções nos rins e muita luta! 

Nesse tempo a nossa amizade e confiança foram crescendo, e quando chegou no final da gestação, já estávamos apaixonadas uma pela outra e com muitas afinidades! Então, com 36 semanas, a Ana parou de tomar as injeções e a médica disse que o bebê tinha que nascer antes das 40 semanas, a partir daí começou uma pressão psicológica intensa, com 37 semanas, a GO disse que o bebê ia nascer logo , mas que o seu colo não estava favorável, então, eu conversei com a Ana e disse que na hora certa do Pedro nascer ,seu colo estaria favorável! 

Passou 38 semanas, chegando 39 e a Ana tinha várias contrações de treinamento, mas o trabalho de parto nada, a pressão da médica foi aumentando e ela quis marcar a cesárea p a próxima quarta, que completaria 40 semanas, apesar do doppler mostrar que tudo estava perfeito , como uma gestação normal. Depois disso, ela me ligou muito triste e inconformada por ter cedido a pressão psicológica da médica e aceitado a cesárea imposta...eu falei pra ela se acalmar, pois o corpo dela estava dando sinais de que entraria em TP logo, logo...ela orou  e sentiu no seu coração que Deus lhe daria mais esse presente, e recebeu a Paz que excede to entendimento!  Ela conversou com outros médicos plantonistas, e por um milagre todos lhe disseram que ela poderia esperar mais um tempo sim, ela voltou e conversou com a sua GO que era de risco, e ela aceitou esperar até 41 semanas! Deus estava no controle realmente! Aleluia!

Então, na terça  depois do almoço, após a médica ter feito o toque, exatamente um dia antes de completar 40 semanas as contrações começaram e não pararam mais, às 3h30  da madrugada ela e o marido dela foram me buscar, pois as dores estavam apurando... fomos para a casa dela e eu percebi que ainda estava na fase latente, contrações a cada 7 min. mas bem curta e não tão dolorida... passamos a noite conversando  e nada do TP "engatilhar" , o marido dela foi trabalhar e eu disse que podia ir tranquilo que ainda iria demorar, fiquei fazendo massagens, dormimos entre as contrações, ela foi p a bola exercitar um pouquinho...rsrs... e conversamos, demos muita risada, até chorar de tanto rir...rsrs

Fomos almoçar na casa da Lu, a mãe dela, uma pessoa linda,  querida e divertida como a Ana, depois , ela quis ir no salão da cunhada e fazer uma escova no cabelo, pois essa minha doulanda realmente é uma diva...kkk... decidimos voltar p casa da mãe dela à pé para ajudar no TP , andamos uma hora e quinze minutos e no meio da caminhada, entre conversas e contrações, ela começou tossir e se engasgar, eu pensei "O que essa criatura tem agora? Esse sintoma , eu não conheço!" Ela se virou p mim com lágrima nos olhos e rindo porque tinha acabado de engolir uma mosca...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...realmente, ela é uma figurinha sem igual!

Quando chegamos na casa da mãe dela após a caminhada , por volta das 17hs o TP começou realmente ficar ativo, mas eu e Ana sabíamos que não era a hora de ir p o hospital , mas como o Fernando (marido ) e a mãe dela estavam muito preocupados, com a dor e tb pela gestação de risco, eles insistiram p irmos p o hospital e nós fomos p todos ficarem mais tranquilos, ouvirmos o coração do Pedro e ver quanto de dilatação...

No carro, a Ana estava com bastante dor, eu até pensei que por ela estar mais de 24 hs com contração ,ela poderia realmente estar com uma boa dilatação, até porque um parto é sempre imprevisível... então a Ana colocou um louvor (Anseio por Ti )  que falava das promessas de Deus, e começou cantar e chorar e a Presença de Deus invadiu aquele lugar e começamos à chorar e louvar à Deus por aquele momento! 

Quando chegamos no hospital p a nossa tristeza, a Ana estava apenas com 3cm de dilatação, foi realmente um balde de água fria, pois ela estava muito cansada e com bastante dor, a médica disse que era p andar por uma hora ao redor do hospital, mas eu sabia que não iria dilatar tão rápido e queria evitar que ela fosse internada muito cedo, pois eu sabia que iria acabar em várias intervenções e quem sabe até em cesárea...eu e a Ana decidimos que era melhor voltar p casa e descansar e deixar o seu corpo responder sem pressão!

Quando chegamos em casa, coloquei ela deitada, na cama dela, fiz com que ficasse o mais confortável possível, apaguei as luzes e falei p ela ficar calma e tentar soltar o corpo na hora das contrações, e ela foi tentando , a cada contração ela se ajoelhava e movimentava os quadris, ela mesma fazia o que o seu corpo pedia, até porque as posições que eu indicava , só pioravam ...rsrsrs... ela tb orava muito nas hrs de maior dificuldade. Ela começou vomitar bastante e as contrações já estavam menos de 3 min. de intervalo, então por volta das 23h eu decidi que era melhor ir p o hospital , passamos na casa da mãe dela e seguimos o nosso caminho.

Quando a médica examinou, ela já estava com 7 de dilatação, ficamos todos muito felizes e agradecidos, e às 24hs  ela foi p o C.O. para tomar analgesia, pois ela realmente não estava mais aguentando, depois que ela entrou, oramos com o Fernando que estava bem ansioso tadinho...rsrs... eu fiquei do lado de fora com a mãe dela, pois já havíamos combinado dessa forma , eu acabei doulando a Lu e o Fer tb ...rsrs... 

Exatamente 1h30 da madrugada  depois de quase 36 hs de TP , eu e a mãe dela fomos perguntar se estava tudo bem e p a nossa felicidade, a portinha do C.O. estava aberta e bem na hora que chegamos ouvimos a Ana dizendo " Ele é tão lindo, chora, respira filho..." e naqueles dois segundos que pareceram dois minutos, ouvimos o Pedro chorar, chorar muito! Então a Lu se ajoelhou e chorando  agradeceu à Deus o presente , o sonho e a promessa realizada! 

 Pedro Henrique nasceu lindo! A cara do pai..rsrs... de parto normal como a Ana sempre sonhou... 

Obrigada Senhor por tua fidelidade e teu grande amor em nossas vidas!




domingo, 21 de julho de 2013

A ansiedade dos últimos dias...

Como se já não bastasse a vida fast food que nós levamos, queremos que tudo seja rápido, não sabemos mais esperar, a ansiedade é o mal do século, agora também estamos vendo essa pressa nas últimas semanas das  gestações! 

Quando chega perto de 36 semanas, as minhas queridas doulandas começam enlouquecer, me vem com frases do tipo:


"Ah , tenho certeza de que de 38 semanas eu não passo!" 


"Doulaaaaa, já estou com 38 semanas, posso tomar chá de pimenta?" Né ? Não vou nem citar nomes para não constranger...kkkkk


" Porque tá demorando tanto?"


" Não vejo a hora dele nascer! Já estou tão cansada..."


E para piorar , os GOs tb colocam pressão muitas vezes dizendo que vai nascer até 38 semanas... Certa vez,  uma amiga fez uma cesárea eletiva, pois a médica disse que daquela data (38 semanas) não passaria, e a sogra veio para ajudar de outra cidade, e quando ela disse que queria esperar o parto normal, a mulher surtou e a "obrigou" marcar a cesárea!


Então, eu respiro e com todo amor que  sinto por elas, tento lembra-lás de que somos humanizadas, que eles podem nascer até 42, 43  semanas, que nós esperamos a hora certa do nascimento e que Deus é perfeito e vai mostrar, e que nós não fazemos parto normal  eletivo e nossos bebês nascem à termo, à não ser que haja algum problema!


Isso me preocupa bastante, pois essa ansiedade não faz bem para o bebê e muito menos para elas que deixam de aproveitar e usufruir dos últimos momentos desse estado de graça, desse milagre lindo que é estar grávida, de todos os cuidados  e paparicos que elas recebem de toda a família e amigos.



Para terminar,  deixo esse versículo não somente para as gestantes , mas para todos nós meditarmos e aprendermos que Deus não trabalha em nossa ansiedade, mas sim, quando descansamos em Sua Vontade que é Boa, Perfeita e Agradável!



“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” Filipenses 4:6,7.





Recado para todas as gestantes:
Nunca mais essa gestação voltará, poder vir outra e mais outra, mas o bebê que está sendo gerado nesse momento, nunca mais voltará para o seu ventre! 

Um dia, ele (a) irá crescer, casar, sair de casa, quem sabe morar longe, em outro país, e tudo o que vc vai desejar ardentemente é que ele ficasse mais um pouquinho dentro de vc...


Aproveitem ! Cada hora, minuto e segundo deste presente de Deus que é gerar uma vida! 


Carla Bichara

quarta-feira, 17 de julho de 2013


Sonhos de Deus pra minha vida
Por Leticia Cristina Corrêa

Nunca tive o sonho de ser mãe, mas sempre soube que quando acontecesse seria parto normal. Minha primeira gestação aconteceu pra fazer o sonho de ser mãe nascer, foi uma gravidez inesperada difícil de ser aceita e quando minha ficha caiu meu bebê foi pro céu, foi assim e com isso que Deus usou pra me fazer sonhar com a maternidade. 

Depois de alguns meses ali estava no meu ventre a semente do nosso sonho Caio, sonhado desejado e esperado, foram 38 semanas e enfim chegou o dia mas ao entrar em TP sem conhecer nada como a maioria das mães de primeira viagem, fiquei 12h com dores pra ter apenas 3 cm de dilatação e por falta de entendimento fiz minha primeira cesariana. Meu precioso nasceu lindo e forte dias ensolarados e felizes com ótima recuperação pós cirurgia.

Após dois anos estava eu lá aguardando o momento da chegada de mais um príncipe, sim uma gestação difícil espiritualmente, fisicamente e financeiramente. Deus nos enviou o Luan pra transformar nossas vidas. 38 semanas o medo de "sofrer a toa" me toma e marco a cesariana para o nascimento do precioso Luan.
Eu chegando no hospital, sem sintoma nenhum, meu neném seria tirado de seu habitar sem nenhum aviso! 
Lembro daquela sala cirúrgica gelada, fria em todos os sentidos. Sozinha pensando porque estou fazendo isso?!
E de repente estava alí um choro desesperador de ambas as partes meu e do meu Luan assustado. Esse foi o sentimento que eu tive!!! Ele foi e é tão amado e precioso quanto o Caio, mas a culpa de ñ ter deixado ele esperar o tempo dele. O sentimento de ter arrancado meu bebê de dentro de mim sem me importar com o sentimento e desejo dele o meu desrespeito por aquele presente de Deus me marcou muito mais do q a segunda cicatriz da cesaria, que pra variar, ñ me deixou sequelas nenhuma com uma semana já estava eu lavando as calçadas da vida! 

E daí se foi mais dois anos, e Deus me chamou a ser novamente mamãe, eu mais que depressa aceitei com um belo sorriso no rosto, um medo terrível por ñ ter plano de saúde virou prioridade e ao mesmo a alegria de pensar: No SUS lógico que vão me fazer um parto normal!
Mas, no meio do caminho havia uma doula.
Havia uma doula no meio do caminho.
Um projeto abençoado da Igreja Bola de Neve de Curitiba pra acompanhar gestantes era isso que eu sabia e que me importava!!!

Primeira reunião a pessoa aqui pouco empolgada. Me perguntam sobre minha vida de mãe e minha opinião sobre parto normal... Citadas... Acho que as doulas NUNCA vão me esquecer!!! Falei quase duas horas seguidas. Sim, eu quero, eu vou ter um parto normal!!!
Aos poucos fui pesquisando e entendendo sobre partos, minha doula Carla começou a ver que eu era um pouco intensa, passei a gestação toda, sem exagero, todos os dias lendo e relendo, virando e revirando artigos sobre partos normais por cesariana. Descobrimos que havia riscos e descobrimos que mesmo no SUS os riscos falavam mais alto e ñ dariam chance para meu parto normal. Mas eu e a Carla estudamos o temido risco de Ruptura uterina, esse nome me tirou o sono algumas vezes. 

Oramos, colocamos diante de Deus e chegamos a conclusão de que riscos existem de qualquer forma só de acordar todos os dias. 
Depois, de muita oração e comum acordo entre eu meu marido e minha doula Carla fechamos nosso plano de parto: ficar em casa durante o TP até aonde eu aguentasse para tentar chegar no hospital com 9 de dilatação, assim, ñ me negariam um PN.
As 37 semanas a ansiedade pegou, e pegou forte, minha oração era: Deus e ñ for pra ser me de sinais físicos!!! 

Exatamente as 38 semanas num sábado lindo acordo com colicas era o noivado da minha amiga Faby e eu iria ajudar a decorar resolvi levantar e tomar banho, senti uma tontura horrível, pensei ser queda de pressão voltei deitar mas a tontura ñ passou. Só piorou, vômitos começaram fui para o hospital com um medo terrível de chegar lá e ser submetida a uma cesaria, mas Deus é fiel. Fiquei internada para tratar de labirintite a essa altura do campeonato. Fui pra casa da minha mãe afinal estava mas tonta que nunca. Comecei a ficar irritada, mal humorada, afinal, porque Deus estava permitindo aquilo? O que ele queria? Se o Natan nascer como cuidar dele com essa tontura??? Marcaram minha cesaria para sexta dia 12 e agora???

Sexta pela manhã acordo ainda com muita tontura, tínhamos uma decisão a tomar ir para o hospital fazer uma cesaria eletiva ou esperar, nossa decisão foi esperar!!! Depois de uma conversa de desabafo e cajadada com minha doula Carla decidi me destrair. Fomos passear, foi nosso último passeio em 4. No final da tarde estava tão tonta quanto no começo da crise meu marido lindo ficou com os meninos e eu fui dormir. Das 17 as 20h com colicas leves. Acordei, comi,  ainda tonta!!! 

As 22h alguma coisa acontece, percebi que algo estava acontecendo, ainda tonta!
As 24h ligo pra minha doula, contrações fracas mas regulares de 10 em 10 min... Achei que ia demorar pra acontecer algo mas é lógico que eu ñ deixaria minha doula dormir rsrs. Marido foi buscar ela, muita conversa, muita história contada e as contrações indo e voltando muito rápido. As 4h da manhã fui pro banho, risos acalmavam as dores acreditem se quiser. As dores pioraram, cada contração meu corpo mandava me abaixar eu obedecia, tentei fazer alto toque mas ñ conseguia me concentrar. Ao sair do banho as contracoes eram tão rápidas que era o tempo de eu me abaixar durante a dor na hora que eu levantava já vinha outra!!! 

Gente, comecei a me esgotar. Ñ tinha tempo pra respirar, a Carlinha era meu apoio, físico, mental e espiritual!!! Ainda bem que ela é forte se ñ tinha caído, várias vezes joguei meu corpo sem pensar simplesmente obedecendo ele.

As 6h ela pede que chame meu marido pra começar a nos arrumar, afinal, tinha que levar os pequenos na minha sogra. O dia amanheceu, tentei tirar uma foto pra postar que estava indo ao hospital, mas gente, ñ tinha intervalo nas minhas dores!!!! Como assim???? Cade o tempo pra respirar??? Estava muito cansada!!! 
Meu marido chega, a doula achando q eu já estava com uns 9 cm. Entrei no carro e me concentrei muito, ñ queria que o Jarbas me visse "sofrendo" de dor, mas é que eu tenho q manter a minha fama de mal!!! Rsrsrs 

Chegamos no hospital, era a hora do vamu vê!!!!
Meu pânico de SUS e de ficar sem a Carla.
Quanto a cesaria falei pra Carla, Deus que manda, se acabar em cesaria era cuidado Dele comigo! 

Entramos na sala do médico ele me examina e pergunta: faz tempo que vc tá com dor né???
Fiz de conta que tava na partolandia e ñ respondi. Ele fez o toque era a hora: 6cm :( tocou aquela música fonfonfon...
Ouço: leva ela pro centro obstetrícia faz a guia pra cesaria! 
Decepção? Ñ!!! Sentimento de que foi tudo em vão? N!!! Bem sei o pensamento que tenho sobre vós, pensamento de paz!!!! 

O sonho de Deus pra mim é que eu seja mãe! Já recebi diversas vezes esse chamado. Deus disse que me faria mãe de milhares e eu recebi. Gerar física e espiritualmente ñ é pra qualquer um e dar a luz é parte de um processo. Se Ele ñ sonhou com o parto normal pra mim amém, quero viver Seus sonhos e seus planos. 

Chegando no C.O. o médico ñ permite que a Carla entre comigo, ela ficou revoltada e na hora que senti as mãos da Carla soltando as minhas fui tomada de uma paz que excede todo entendimento. O médico veio me falar besteiras por causa da revolta da minha doula e eu com dor olhei peão ele e falei: Doutor?????? 
A enfermeira vendo a cena me falou exortou o médico ñ é hr disso é hr do seu bebê chegar!!! 
As mãos de Deus 
Minhas dores diminuíram de intensidade, mas estavam lá, as enfermeiras com um cuidado sobrenatural, cada coisa que elas pediam pra eu fazer respeitaram meu tempo, respeitaram minha dor! 

Entra o anestesista, Deus é perfeito ele me perguntou que anestesia eu já tinha tomado expliquei que em cada parto tinha tomado uma, ele perguntou meus sintomas e deixou eu escolher qual queria. Vc acreditam?????
Tentou aplicar a 1° vez veio uma contração ele ñ conseguiu, pensei vai me xingar, ñ ele respeitou minha dor me ajudou e conseguimos no intervalo certinho das dorestes aplicar a anestesia. NUNCA TINHA SIDO TÃO BEM CUIDADA o cara me explicou cada detalhe do que acontecia o tempo todo me deixando confortável.

Enquanto isso ouvi os médicos falando sobre minhas cesaria: nossa tá difícil de cortar tá tdma muito grudado!!! Ou seja meninas ruptura uterina é muito difícil de acontecer!!!!
Enfim ouço meu bebê chorar a pediatra trás ele se apresenta me explica tdma q vai fazer, o anestesista solta minhas dores mãos pego o Natan dou um cheiro e então levam ele para os procedimentos.

De repente a residente pede pra terminar o procedimento sozinha, percebo que o médico ñ estava me tratando tão bem, quando ele sai da sala ela vem me perguntar como estou me sentindo ela me fala se eu aguentasse mais um pouquinho que ela ñ gostou de como estava sendo feito meus pontos e queria refaze-los.

Muito cuidado, muita atenção, Natan volta pego ele de novo mais um cheiro!!!
Na sala de observação, realmente fui observada, o tempo todo a enfermeira conversando e cuidando me dando instruções pra passar logo a anestesia. Traz o Natan me ajuda a amamentar pela primeira vez e me leva pro quarto. Durante toda minha estadia no hospital fui muito bem atendida. Muito melhor do que nos outros hospitais, até que no Santa cruz.

Entendi que os sonhos de Deus são os que interessam, que mesmo tendo uma cesaria respeitei o tempo do meu pequeno deixei ele saber que algo ia nascer, Deus não divide a glória Dele com ninguém, ñ permitiu que minha doula entrasse pra mostrar que o cuidado Dele é o que faz a diferença e toda aquela tontura foi embora sozinha, ñ precisei nem ser medicada por que foi o tempo e o desejo de Deus pra minha vida e eu vivi tudo por completo!!!



terça-feira, 9 de julho de 2013

Para não deixar dúvidas...


A dor no parto normal

Quando pensamos na dor, tendemos a achar que algo de ruim está acontecendo. A dor nos avisa, é o sinal do corpo para que algo seja feito. Os nascimentos, assim como as grandes transformações psíquicas humanas, estão ligados a “dores”. Assim, as atribulações e dores do nosso tempo são expressas nos momentos que antecedem o nascimento.
Todo parto remete ao próprio nascimento. Ao dar à luz, a mãe “revive” o trauma de sua própria chegada ao mundo. Esta dor traduz “dores” que trazemos ocultas dentro de nós e, a cada contração, revela sofrimentos embutidos da própria pessoa e que podem ser transformadas. (Thérèse Bertherat, Quando o Corpo Consente).
A cada contração, o colo do útero se dilata mais um pouco e há a distensão de diversas estruturas no canal de parto. A contração em si não é dolorosa, são os encurtamentos musculares que podem ser dolorosos. A dor inicialmente pode ser como uma espécie de cólica, ou uma pressão sobre o abdômen e nos quadris ou sobre a parte inferior das costas e na raiz das coxas ou ainda uma combinação destas várias dores. As dores podem ir se intensificando com o avanço do trabalho de parto. Durante o trabalho de parto, produzimos a endorfina, hormônio sedativo da dor.
A dor varia enormemente entre as mulheres: para algumas, é insuportável e outras juram não sentir nada. A expectativa da mulher, o medo de perder o controle sobre seu próprio corpo e acreditar que a dor será insuportável, e precisará de anestesia, podem contribuir para o aumento de dor. As contrações são dolorosas e desafiadoras. É quase sempre o medo e a angústia que provocam a dor e assim forma-se o ciclo tensão-medo-dor.
Para administrar a dor, é necessário manter um ambiente calmo, quieto, com pouca luz, diminuindo a função do neocórtex, responsável pelos pensamentos e raciocínio lógico, e deixar as estruturas cerebrais primitivas entrarem em ação para liberar os hormônios necessários (Michel Odent). A mulher deve sentir-se segura e acompanhada somente por quem ela desejar. Mudar de posição ajuda a descobrir aquela que mais alivia a dor, além de ajudar no trabalho de parto. A respiração ajuda a concentrar e não pensar na dor.
A dor ajuda a sentir o que está acontecendo, a contração é sinal de progresso de que o fim do processo está mais próximo. Preparar-se emocionalmente e mentalmente ajuda a diminuir a dor: “Ah essa contração foi muito boa!  Ajudou o bebê a avançar”.
(texto escrito por Sandra Sisla – Fisioterapeuta e Educadora Perinatal)

A intensidade da dor é relativa e depende de mulher p mulher. não tem como se "medir" a dor de parto e nem dor alguma. tem pessoas que suportam melhor ... Eu já atendi meninas que na fase latente choravam de dor e outras que estavam na fase de transição com dor , mas aguentando firmes, e tb já vi gestantes chegando no hospital no período expulsivo sem dor alguma, sem saber que estava em TP avançado! 

O que eu tenho percebido nos meus atendimentos, é que quanto mais preparada a gestante está fisica e psicológicamente, ela consegue lidar melhor com a dor e o processo. Infelizmente, algumas vezes as gestantes chegam na maternidade que eu sou voluntária, apavoradas e recebendo o parto normal como um castigo  dos médicos ou dizendo " se eu tivesse dinheiro teria pago uma cesárea!"  Aí é realmente complicado, elas sofrem muito e na maioria das vezes, quando elas realmente não ouvem quando dizemos que o parto  é o melhor p elas e p seus bebês, e que elas são abençoadas por terem esse privilégio, o TP para no meio do caminho e acaba em intervenções e muitas vezes em cesáreas... Por isso , sempre digo que o conhecimento é tudo !
E ainda temos os métodos não-farmacológicos para aliviar as dores como massagens, banhos quentes (chuveiro ou banheira), bola de fisioterapia, algumas posições (ficar deitada de barriga p cima, é a pior de todas) , respiração como já foi citado, e todo o carinho , amor e respeito que a gestante merece neste momento tão especial de sua vida...
Lembrar de respirar sempre calma e profundamente!
Posições que trazem conforto...


O banho ajuda relaxar a musculatura

O melhor analgésico de todos!

O cavalinho com a massagem também ajuda muito...

Dispensa explicações...